terça-feira, 22 de julho de 2008

Quando cheguei depois do trabalho não encontrei ninguém em casa. Uma única cerveja à minha espera na geladeira. Fui lá fora, soltei os cachorros literalmente porque um latia sem parar pois minha cunhada o deixara amarrado a tarde toda, a outra, deixou de cuidar de seus nove filhotes e veio ao meu encontro com cara de faminta. Na noite passada fiquei horas ao fogão preparando uma gororoba suculenta com costela de vaca para ela melhorar a amamentação, tudo certinho conforme recomendação de um veterinário amigo meu, só que ele não me avisou sobre o tempero e acho que devo ter exagerado em alguma coisa, comeram somente a carne, o caldo ficou intacto e ainda está lá no recipiente improvisado. Ração eles não querem, então, que se danem, vou deixá-los hoje somente com água e os restos do meu prato caprichado de ontem. Fechei as portas para eles ficarem do lado de fora, sim porque a cachorra não entra, mas o outro serelepe entra sempre e faz o que não devia no piso da sala ou do quarto e minha esposa quando vê fica uma arara comigo. Abri a cerveja, liguei o computador para ver se tinha algum recado interessante e ao som de uma música clássica de alguns discos que adquiri de uma coleção e que só consigo ouvir nessas horas, quando estou sozinho em casa, vi que na minha caixa de mensagem só havia propaganda e lembrete de boletos vencidos. Que vida dura. Pena que só havia uma cerveja. Hoje é dia de treino do meu filho no futsal e minha esposa tinha uma reunião de confraternização na casa de uma amiga que se casara há pouco tempo, já devem estar chegando. Troco o disco sem escolher, o primeiro era muito monótono Stravinsky, o de agora: Richard Strauss.
Preciso ir ao médico urgentemente para fazer exame de vista. Sempre ouvi falar em vista cansada mas não imaginei que a minha fosse se cansar tão rápido.
Pelo menos o ouvido funciona bem e dá para ouvir essas maravilhas da música clássica.
Os vizinhos devem me achar maluco, dia desses coloquei música sertaneja na maior altura.
Foi fazendo isso, em ocasiões parecidas, que escrevi muitos dos poemas que compõem o Alcaçuz e Anis.

Nenhum comentário: